Franquias: bom negócio ou mau negócio?

Na hora de abrir o próprio negócio, a primeira coisa que vem à cabeça é procurar uma franquia, mas será que é o ideal? Investir em franquias deve ser só uma das opções de uma lista com outros modelos de negócio que você deve avaliar antes de empreender. 

Com um modelo aparentemente sólido e que gera boas receitas, as franquias atraem pelo fato de serem aceitas por um público e terem nome consolidado. Contudo, mesmo com esses apelos comerciais, há alguns pontos a serem discutidos para que você perceba se esse negócio vale a pena ou não. 

Leia este artigo, que mostra como é investir em franquias, seus pontos fortes e fracos e opções para investir que são muito mais lucrativas!

O que devo saber antes de investir em franquias?

Começar nos negócios a partir de um modelo franqueado pode representar uma opção segura diante de alguns critérios, porém, tem suas desvantagens. 

Para investir em franquias, deve-se ficar muito atento ao contrato. As taxas a pagar geralmente são altas, os royalties corroem seus lucros e, além dessa obrigação, o comércio de franquias delimita muitos pontos para quem decide empreender nessa categoria. 

Basicamente, depois de acertar em contrato todas as cláusulas, o modelo de negócio que você deve seguir está definido e não permite alterações no decorrer do trabalho, a não ser que elas sejam rigorosamente permitidas pela franqueadora. 

Ou seja, a partir do fechamento do contrato, desde as instalações físicas, ponto, produtos, padrão de atendimento e outros quesitos são fixados pela franqueadora. Por esse motivo, na maior parte das vezes, a franquia é cara, não permitindo a entrada se você não tiver o valor total. Não faz nenhum esforço em atender às necessidades e se ajustar ao orçamento do investidor.

Colocar todos esses pontos no seu planejamento dará uma boa noção de quanto custa uma franquia no total, desde a adesão à manutenção do contrato. 

Quais são as práticas de uma franquia?

Uma vez fixado o contrato, ele deve ser seguido por ambas as partes para que o franqueado tenha os lucros planejados. Porém, quando se trata de investir em franquias, há vários pontos que você deve conhecer bastante antes de iniciar nesse tipo de negócio. 

Exige o pagamento de royalties

Além da taxa de adesão à franqueadora, abrir uma franquia também exige o pagamento de royalties, que são uma quantia a ser paga pelo uso da marca, representando um percentual a ser pago sobre o faturamento bruto da empresa –  esse é o modelo de negócio estabelecido em franquia. Esse valor é obrigatório, sendo que o percentual é definido unicamente pela franqueadora e deve ser pago mês a mês, como se fosse um aluguel. 

Só a franqueadora define o ponto 

O ponto do comércio pode ser pesquisado e sugerido pelo franqueado, porém, a decisão final vem sempre do detentor da marca da franquia. Pelo contrato e pelas regras do setor de franquias, mesmo que o investidor tenha diante de si um ponto bem localizado, se o franqueador decidir por outro lugar, o negócio tem que seguir outra decisão.

Não permite mudanças no espaço 

Investir em franquias obriga que o espaço físico não possa ser alterado pelo franqueado, mesmo que o intuito seja melhorar o local para aumentar as vendas. Desse modo, todas as decisões do negócio passam pelo crivo do franqueador. Caso ele permita, você poderá realizar suas mudanças, ainda que muito pequenas.  

Mix de produtos reduzido 

Como regra básica na hora de investir em franquias, toda a seleção de produtos é exclusiva do franqueador. Essa determinação impede a escolha do investidor, fazendo com que ele trabalhe somente com os produtos homologados pela franqueadora. 

Isso tem um ponto bastante negativo, já que um mix de produtos maior sempre agrega  valor à loja e atrai diferentes públicos, gerando mais lucro. 

Requisita a compra de produtos à escolha da franqueadora 

Dentro do modelo franqueado, o seu negócio fica condicionado a comprar os produtos no tipo, quantidade e frequência determinados pela franqueadora. Essa é uma estratégia do maior número de franqueadoras restringindo o seu negócio. A regra base é ter somente os itens que a franqueadora define. 

Determina o abastecimento de estoque mesmo se não for necessário 

O abastecimento de estoque é determinado pela franqueadora. Mesmo que não tenham sido vendidos todos os produtos, você receberá a quantia mensal determinada pela franqueadora. Por esse motivo, a gestão de estoque fica comprometida e, muitas vezes, leva a perdas de produtos e prejuízos financeiros.

Não aprova a inclusão de softwares e estruturas diferentes 

A franqueada deve usar o sistema digital e os equipamentos que a franqueadora determina. 

Podem ocorrer problemas de suporte por parte da franqueadora 

Não é incomum que muitos franqueados por vezes reclamem da falta de suporte por parte da franqueadora. O apoio inclui treinamentos, orientação sobre melhores práticas no negócio e auditorias para checar se o franqueado segue o contrato. 

Essa falta de suporte traz prejuízos para a equipe e ao negócio, que muitas vezes carece de orientações sobre como investir em franquias. Ainda, terceirizar essas ações com outra empresa é, na maior parte dos casos, proibido pela franqueadora.

Qual é o modelo mais flexível de comércio? 

Existem outras opções menos rígidas e mais lucrativas que o modelo franquia e que não são tão engessados.

Há um modelo de investimento muito melhor, em que você será dono do seu próprio negócio. Esse sistema traz resultados bem mais satisfatórios aos muitos empreendedores que optaram por ele, que é a licença de uso de marca. É uma opção que permite maior autonomia, de modo que você pode negociar com a marca e ajustar o tamanho do seu negócio dentro do seu orçamento! 

A licença de uso de marca opera cedendo os direitos de uso e venda de produtos sob registro, o know how da marca e acompanhamento no passo a passo. Mesmo exigindo um contrato e o pagamento de uma taxa de adesão ao sistema, você terá todo o apoio da rede sem corroer os seus lucros.

Nessa modalidade, todo o espaço físico, desde a escolha de ponto, o mobiliário e o mix de produtos serão ajustados ao orçamento do empreendedor

A ProSaúde é uma licenciadora de uso de marca e atrai investidores por oferecer maior autonomia no negócio para o investidor.

O comércio de produtos da marca ProSaúde traz uma grande variedade. O mix de produtos de marca própria inclui desde biscoitos, granolas, vitaminas, suplementos, ervas medicinais, bem como a distribuição de um grande número de sementes, oleaginosas, farinhas, enfim todo um estoque para o seu negócio.

Como uma opção muito mais vantajosa do que uma franquia, o modelo de negócio da ProSaúde já se encontra por todo o país. São 46 lojas já instaladas e a expansão prevista é de 200% até o final de 2020. O sucesso do modelo de cessão e uso de marca da ProSaúde deve-se ao fato de que a marca é forte e trata todos os licenciados como parceiros. Conheça todas as lojas da ProSaúde e veja o potencial de aderir a este investimento.